Direção Hidráulica: Dicas de manutenção e funcionamento

08 mar 2013                   0 Comentário Logo da Dinamicar Pneus

 
Alguém se lembra que o normal era fazer um esforço sobre-humano para encaixar o carro, feito de ferro puro, em uma vaga com o famoso queixo duro? Pois bem, a direção do automóvel é a alma da condução e a busca por facilitadores neste mecanismo sempre estiveram nas mentes dos engenheiros automotivos. Quando se chegou ao conceito de que um sistema hidráulico diminuiria o esforço do motorista, os tempos mudaram. E mudaram ainda mais quando esse mecanismo se popularizou.
 
Mas, para entender o sistema de direção hidráulica, é preciso compreender como funciona um mecanismo simples sem auxílio. Vamos tratar, a título de explicação, de sistemas encontrados nos carros de passeio. Para conhecimento geral, há outro tipo de sistema, muito usado em caminhões e utilitários, que é o de direção de esferas recirculantes.
 
Direção normal

Sistemas de pinhão e cremalheira

 
Ao girar o volante, a árvore de direção transmite esse movimento a um pinhão, que é uma engrenagem redonda, para a cremalheira, que é uma espécie de trilho dentado. Só para ilustrar, a cremalheira é usada por antigos sistemas ferroviários para dar tração nas subidas de morros íngremes. O pinhão é quem transmite à cremalheira o giro do volante. Quanto menor o pinhão, maior a necessidade de giros do volante para completar o esterçamento, e assim movimentar os pneus de um lado para o outro. Em carros esportivos, como os de Fórmula 1, o comum é justamente o contrário: o pinhão é muito maior, para evitar grandes movimentações no volante para completar um ciclo na direção, deixando o carro mais dinâmico.

Sistemas Hidráulicos de direção

 
Na direção com assistência hidráulica, quem faz esse papel de pressurizar o óleo do sistema é a bomba rotativa, que é submetida ao motor. Ou seja, o sistema só entra em funcionamento quando o carro está ligado. Após gerar alta pressão, esse óleo alimenta um cilindro que guarda um pistão que é movimentado pela cremalheira. Este auxilia o movimento, reduzindo em até 80% o esforço do motorista, o quem em tempos de trânsito intenso e muitas manobras é altamente relevante.
 
Direção hidráulica

Manutenção da Direção Hidráulica

 
Quantas vezes você já verificou o reservatório do sistema de direção hidráulica? Muitos desconhecem isto e talvez nem saibam que existe um componente rotativo que faz a gerência deste óleo no sistema e que é muito sensível à falta de óleo. Para comprovar, em ponto morto, esterce o volante de seu carro e confira no conta-giros que haverá uma ligeira queda no ponteiro. Para entendermos que a manutenção é extremamente necessária, é preciso entender que há nesse sistema:

  • mangueiras: que fazem o transporte do óleo para a caixa de direção e de volta ao reservatório
  • braçadeiras de ferro que selam o sistema;
  • conexões metálicas, já que é um sistema de alta pressão;
  • orrings: são pequenos anéis de borracha que evitam vazamentos;
  • partes metálicas móveis – como o pistão que movimenta a cremalheira;
  • cilindro que recebe a pressão do óleo;
  • bomba rotativa, submetida ao motor, que necessita estar constantemente lubrificada, o coração da direção hidráulica.

 
Quando há vazamento de óleo na caixa de direção, esse lubrificante pode danificar partes que necessitam de intensa lubrificação, como mangotes e conexões metálicas. Partes da suspensão que estão próximas à caixa e que recebem este vazamento diretamente, também sofrem incrivelmente.
 
Mas o pior que pode acontecer é uma falta de lubrificação na bomba rotativa, o que causará um barulho incômodo que irá, com o tempo, danificar a direção hidráulica, a enrijecendo. E o mecanismo pode travar causando a parada de todo o sistema, deixando o carro quase impossível de ser controlado. Portanto, ao acordar em um sábado pela manhã, no momento de verificar óleo do motor, a água do radiador, ou mesmo antes de lavá-lo, dê uma atenção aos outros sistemas que levam lubrificante como freios e direção hidráulica.

Deixe uma resposta

LEIA MAIS

estepe de carro

Seu estepe está pronto pa

A vistoria anual do Detran do Rio de Janeiro causa dor de cabeça em todo mundo, mas não há motivos para preocupações. Alguns itens você pode avaliar.

Citroen Cactus

Citroen C4 Cactus chega a

Apesar de muitas polêmicas e incertezas envolvendo o seu lançamento, em 2017 chega ao Brasil o Citroen Cactus. Diante de um visual extravagante que engloba desde os.

carros enfileirados

Quais foram os carros mai

Neste início de 2017, o Chevrolet Onix se manteve como um dos modelos mais bem-sucedidos dos últimos anos. No mês de janeiro, ele foi o carro mais.